Acordos Coletivos

A data-base dos trabalhadores do Metrô de São Paulo é 1º de maio. Já para os metroviários das linhas 4, 5 e 17, a data-base é 1º de março. Geralmente, no início de cada ano são iniciadas as negociações do Sindicato com as empresas de transporte público metroviário. Os Acordos ou Dissídios Coletivos são fechados ao final de cada Campanha Salarial.

Pauta de reivindicações atualizada conforme aprovação da categoria no Seminário da Campanha Salarial

Leia aqui a Pauta de Reivindicações atualizada conforme aprovação da categoria no Seminário da Campanha Salarial. Os trechos em destaque (em amarelo) são as atualizações, feitas durante o Seminário, em relação à Pauta apresentada à empresa em 14/3/2022.

Pauta de Reivindicação COM ADENDOS DO SEMINÁRIO_entregue ao Metrô em 07.04.2022

Dissídio Coletivo 2014/2015

Diferentemente dos anos anteriores, quando o Sindicato e o Metrô estabeleceram Acordos Coletivos, neste ano de 2014, após a realização de uma greve de cinco dias ocorrida por conta da intransigência da empresa e do governo estadual, não chegou-se a um Acordo Coletivo.

O TRT (Tribunal Regional do Trabalho) julgou nossa greve como “abusiva” e também julgou as nossas reivindicações. Portanto, o documento que você verá agora, o chamado “Dissídio Coletivo de Greve”, é o resultado do julgamento feito pelo TRT sobre nossas reivindicações.

O Sindicato recorreu sobre a questão da abusividade da greve, e também da multa que foi aplicada por conta disso, e aguarda os desdobramentos do processo.

O “Acórdão” do TRT, portanto, substituiu oficialmente o Acordo Coletivo e estabeleceu os reajustes e julgou outras reivindicações dos metroviários para o período de 1º de maio de 2014 a 30 de abril de 2015.

acordao_dissidio_2014

Baixar PDF